3 de fevereiro de 2021 12:41

Emdagro estimula cultivo da ‘moringa’ para agricultores do semiárido em períodos de seca


Consumida nas alimentações humana e animal, a planta tem alto valor nutritivo e tem melhor desenvolvimento em climas secos

 

Para minimizar os efeitos da seca, a Empresa de Desenvolvimento Agropecuário de Sergipe (Emdagro) vem estimulando o cultivo da moringa oleífera em propriedades rurais do semiárido sergipano. Isso porque a planta arbórea é tolerante a solos secos e pobres, e possui múltiplas utilidades. As suas folhas, vagens verdes e flores são utilizadas nas alimentações humana e animal pelo seu alto valor nutritivo, servem ainda como hormônio de crescimento para as plantas, e suas sementes são utilizadas para purificação da água. Originária da Índia e muito cultivada nos trópicos, a moringa oleífera possui crescimento rápido, podendo atingir uma altura de até 12 metros, com pouca sombra e madeira mole.

 

No município de Itabi – localizado no Médio Sertão Sergipano e distante 135 km da capital Aracaju – é possível encontrar agricultores assistidos pela Emdagro que produzem a moringa oleífera por entender seus benefícios ao homem, aos animais e às plantas. Nas propriedades que possuem esse tipo de cultivo, os técnicos da empresa dão orientações sobre as práticas culturais, levando em consideração o tipo de solo, clima, produção e plantio, espaçamento entre cultivos, adubação, poda, pragas e doenças e a forma de utilização da moringa.

 

“Em Itabi, por exemplo, cinco propriedades rurais desenvolvem o trabalho com a moringa. Os produtores sabem da importância dessa oleífera para a agricultura no semiárido, que enfrenta fortes períodos de estiagem e a grande escassez de alimentos para os animais. Para ter uma ideia, é visível o rendimento do gado quando a moringa é misturada na sua alimentação, chegando a representar um ganho de 30% ao dia, tanto para a produção de carne como para a de leite”, avaliou o chefe do escritório local da Emdagro em Itabi, Sérgio Carlisson.

 

A cultura é produzida de forma consciente na propriedade do agricultor familiar José Luciano Cardoso de Moraes, localizada no povoado Lagoa Redonda, em Itabi. “Tenho consciência da importância de cultivar a moringa e ela me ajuda muito na alimentação do gado”, destacou. Na última semana, o agricultor recebeu em sua propriedade o presidente da Associação Moringa do Brasil, Artur Begliomini, que esteve em Sergipe para conhece o trabalho de Luciano na produção da planta. A visita contou também com a presença de técnicos da Emdagro.

 

O chefe do escritório local da Emdagro em Itabi, Sérgio Carlisson, ressaltou o alto valor nutricional da planta na alimentação humana. “A moringa é muito rica em proteínas, vitaminas A e B, e em minerais como cálcio, ferro e fósforo. Suas sementes, vagens e flores também podem servir de alimento humano. Outra característica da planta é que ela serve para purificar e limpar a água de beber, onde suas sementes podem eliminar entre 90 e 99% das bactérias existentes na água”, explicou Sérgio.

 

Foto: Asbraer

Last Updated on 3 de fevereiro de 2021 by carlos.mariz