I – A EMDAGRO

Criada no ano de 1962 com a denominação de ANCAR-SE passando, posteriormente, a receber ao longo dos anos denominações outras: EMATER-SE, EMDAGRO, DEAGRO e atualmente EMDAGRO, por força de reformas administrativas ocorridas a nível estadual.
Surpreendentemente a partir do ano de 1990(Gov. Collor) o serviço oficial de Assistência Técnica e Extensão Rural foi totalmente desestruturado em todo país, abrangendo, concomitantemente, os níveis federal e estadual. Como consequência, as instituições estaduais prestadoras do serviço de Assistência Técnica e Extensão Rural foram enormemente afetadas nos seus mais variados aspectos chegando, algumas delas, a serem extintas, enquanto outras tiveram que forçosamente diversificar os seus serviços, como forma de assegurar a sua própria sobrevivência.
Dentro deste contexto, inseriu-se a Emdagro, que além de continuar executando o seu verdadeiro serviço de Assistência Técnica, teve de optar por outras linhas de ação julgadas importantes para o desenvolvimento da agropecuária estadual, como:Pesquisa Agropecuária, Defesa Animal e Vegetal e Ações Fundiárias, que hoje compõem a programação básica da Emdagro.
Convém ressaltar,que mesmo com todos esses percalços ocorridos a Emdagro continua a cumprir exequivelmente a sua Missão institucional, podendo-se identificar claramente uma relação positiva entre a presença do serviço de Assistência Técnica e a melhoria das condições econômicas e sociais do Estado e municípios, que, pela execução dos mais diferentes projetos, programas e atividades, geraram benefícios para a sociedade e em particular para os pequenos trabalhadores rurais que fazem a agricultura/pecuária familiar, distribuídos nos 75 municípios do Estado de Sergipe, onde a Emdagro tem a sua atuação direta, no campo, com base no desenvolvimento de políticas públicas voltadas para a promoção do desenvolvimento rural sustentável.

II – Missão

Contribuir para o fortalecimento da agricultura familiar e expansão do agronegócio do Estado de Sergipe, atuando nas áreas de Assistência Técnica e Extensão Rural, Pesquisa, Defesa Agropecuária e Ações Fundiárias, para assegurar o desenvolvimento sustentável e o bem-estar da sociedade.

III – Visão de Futuro

Ser reconhecido pela sociedade como referência na promoção do desenvolvimento rural sustentável e excelência dos serviços prestados à agropecuária sergipana.

IV – Nossos clientes

  • Produtores e famílias rurais
  • Instituições Públicas
  • ONG’s
  • OSCIP’s
  • Entidades Públicas e Privadas
  • Empresas privadas
  • Associações
  • Conselhos Municipais

V – Nossos Guia de valores (Clientes, colaboradores, fornecedores, governo, sindicatos, sociedade,parceiros, grupos especiais)

  • Responsabilidade
Respondendo de forma pronta e efetiva às demandas funcionais e sociais. Quando se é responsável se mantém os compromissos e se estabelece uma base de confiança.
  • Generosidade
É compartilhar, é ajudar, é partilhar seu tempo, socializando conhecimento e informações com os outros, sem esperar retribuição. É uma qualidade do espírito.
  • Perseverança
Manter a confiança frente às adversidades. Não desistir antes de alcançar os resultados pretendidos. Redirecionar as ações/estratégias para seguir no rumo desejado.
  • Honestidade
Agindo com integridade e clareza nas nossas relações e negociações, gerando confiança nos clientes, colaboradores, fornecedores, comunidades, governo e sindicatos pela transparência na gestão técnica, administrativa e financeira.
  • Humildade
Reconhecendo os próprios limites e valores alheios e aprendendo com os seus semelhantes, exercitando o diálogo e a capacidade de ouvir.

VI – Objetivos Estratégicos

1. Cliente e mercado

  • Estruturar pólos de desenvolvimento com ações concentradas e integradas, considerando os arranjos produtivos e sociais existentes.
  • Desenvolver ações para a mudança do foco da agricultura tradicional para agricultura agroecológica;
  • Melhorar a efetividade de Defesa Agropecuária
  • Fomentar o desenvolvimento do agronegócio
  • Assegurar a qualidade das ações institucionais, visando a excelência operacional.

2. Processos Organizacionais e Gerenciais

  • Dotar a instituição de uma estrutura ágil, flexível e horizontalizada (por processo);
  • Desenvolver ações contínuas de modelagem e redesenho de processos;
  • Desenvolver o Planejamento Estratégico;
    Fortalecer e ampliar a estrutura de tecnologia da informação da instituição;
  • Desenvolver um plano de comunicação institucional;
  • Modernizar e ordenar a estrutura física;
  • Organizar um sistema de mensuração de resultados.
  • Desenvolver planejamento operacional com visão integrada e de conjunto.

3. Articulação e parceria

  • Promover parcerias para o desenvolvimento das pequenas agroindústrias;
  • Realizar parcerias com entidades públicas e privadas para maximizar o uso de recursos e melhorar a eficácia das ações (ações em rede).

4. Gestão de pessoas

  • Estabelecer uma política de gestão de pessoas;
    Implantar um sistema de reconhecimento e valorização de pessoas
  • Desenvolver um sistema integrado de cargos e remuneração por resultado, habilidades e competências,
    Implantar um amplo programa de capacitação de pessoas, em consonância com os objetivos estratégicos;

5. Gestão financeira

  • Desenvolver mecanismos de captação de recursos, planejamento e acompanhamento de sua aplicação;
  • Dotar a Instituição de um sistema de acompanhamento, controle e avaliação de convênios e contratos;
  • Implantar um sistema de informações financeiras ágil e integrado.

6. Pesquisa e desenvolvimento

  • Instituir uma política de pesquisa e desenvolvimento tecnológico para a agricultura familiar e o agronegócio
  • Promover o desenvolvimento tecnológico do agronegócio
  • Desenvolver e adaptar métodos de pesquisa participativa contribuindo para soluções de problemas sociais e econômicos regionais
  • Estabelecer parcerias institucionais na geração e adaptação de tecnologias para atender a diversidade de demandas e resolver os gargalos da cadeia produtiva
  • Promover a difusão de tecnologias geradas e adaptadas